Melhores Cursos para Trabalhar Fora do Brasil

Você já sentiu vontade de deixar o Brasil e trabalhar no exterior? Se sim, saiba que você não está sozinho. Uma pesquisa realizada pelo Datafolha em meados de 2018 revelou que 62% das pessoas consultadas e que tinham entre 16 a 24 anos tinham o desejo de sair do País. Em números absolutos, isso significa 19 milhões de jovens brasileiros. Muitos não ficam só na intenção, conseguindo realizar esse desejo.

Ainda de acordo com uma matéria do portal O Globo Economia, entre os anos de 2013 e 2017 a quantidade de declarações de saída definitiva do Brasil que foram entregues à Receita Federal mais do que duplicou, passando de 9.887 para 21.701. Os números são altos, mas não representam a totalidade de brasileiros que buscaram trabalhar fora do Brasil. No entanto, quem procura o caminho legal para isso, com visto de trabalho ou através de intercâmbio na faculdade, precisa se preparar. Adquirir competências para trabalhar fora do Brasil, conseguir visto e oportunidade requerem dedicação, boas escolhas e, principalmente, persistência. Confira, neste texto, algumas dicas para conseguir tudo isso.

Cursos de Graduação que Podem Prepará-lo para Trabalhar Fora do Brasil

Se você sente vontade de trabalhar fora do Brasil, precisa começar desde cedo a definir estratégias para se aproximar dessa conquista. O primeiro passo para chegar lá é escolher a profissão certa. É preciso optar por uma área que seja do seu interesse, é verdade, mas sem esquecer que essa área deve também interessar para os empregadores no mercado de trabalho internacional.

Em entrevista ao site Infomoney, a Dra. Helena Cavalcanti, diretora de Assuntos Jurídicos Internacionais da Hayman – Woodward PLLC, declarou que existem áreas onde, notavelmente, os brasileiros são destaque em outros países. É importante você estar atento a essas áreas, pois assim ficará mais fácil conseguir uma oportunidade em alguma delas.

De acordo com a Dra. Helena Cavalcanti, o mercado internacional já começou a valorizar brasileiros que atuam em carreiras ligadas ao mercado financeiro, como economistas, administradores de empresas e analistas com experiência em comércio exterior, mercados globais e países emergentes. Também são valorizados profissionais da área da saúde, como médicos, dentistas e fisioterapeutas; chefs de cozinha e profissionais da área de TI, como engenheiros de sistemas.

Além das funções citadas pela diretora da Hayman, vale conferir a lista com os melhores cursos para quem almeja trabalhar fora do Brasil preparada pelo portal Guia de Carreira.

Profissionais de diversas áreas podem ser contratados em outros países. Se você ainda não sabe qual curso de graduação fazer, veja a lista que preparamos com 7 áreas de formação ideais para quem deseja trabalhar no exterior:

1. Engenharia

Engenheiros de diversas áreas são requisitados por empresas estrangeiras e, nesse caso, mesmo os países que possuem políticas rígidas a respeito da imigração podem permitir a entrada de profissionais estrangeiros com o objetivo de suprir a sua escassez de mão de obra.

Confira algumas das engenharias mais valorizadas no mercado estrangeiro:

Engenharia Mecânica;

Engenharia Civil;

– Engenharia Elétrica;

Engenharia da Computação;

– Engenharia de Produção;

– Engenharia Química;

Engenharia de Petróleo;

– Engenharia Eletrônica.

2. Letras/Tradução

Quem faz faculdade de Letras em um idioma estrangeiro (inglês, francês, espanhol, alemão, etc.) pode atuar como tradutor ou intérprete. O tradutor trabalha principalmente com textos escritos (livros, documentos, artigos, manuais, comunicados, etc.) e pode ser contratado para atuar em uma empresa ou trabalhar como autônomo, desempenhando suas atividades a partir de qualquer lugar.

Já o intérprete tem a função de traduzir palestras, conferências ou acompanhar o encontro entre duas pessoas que não falam o mesmo idioma. O intérprete precisa estar no mesmo ambiente onde os eventos acontecem. Essa bagagem de aprendizado em uma graduação de Letras favorece aqueles que desejam viajar a trabalho ou querem morar no exterior.

Assim, morando fora do País, você poderá aprimorar ainda mais o conhecimento obtido durante a graduação e terá facilidade para atuar na sua área. Também poderá, com o seu conhecimento no idioma estrangeiro, facilitar a entrada em outras funções que exijam domínio daquela língua.

3. Comércio Exterior

O profissional formado em Comércio Exterior lida com transações de compra e venda entre empresas de países diferentes. Ele entende sobre a legislação referente às atividades de importação e exportação de produtos e é responsável por fazer negociações entre organizações estabelecidas em diferentes nações.

Parte do seu trabalho será estudar o mercado internacional para adequar o produto brasileiro aos padrões de importação de outros países. Muitas vezes, esse profissional é contratado por uma empresa brasileira e mora em países onde essa organização vende os seus produtos.

4. Relações Internacionais

A área de Relações Internacionais estuda e analisa como as diferentes nações se relacionam. O profissional formado nessa faculdade trabalha com o objetivo de criar uma boa comunicação entre diferentes países para que eles possam estabelecer acordos políticos, econômicos, culturais, comerciais, etc.

O profissional formado nessa carreira pode trabalhar em empresas multinacionais ou ter uma carreira pública, atuando em órgãos do governo, embaixadas ou consulados. Ou seja, uma ótima opção de emprego para quem deseja trabalhar fora do Brasil.

5. Administração

O curso de Administração é bastante abrangente e forma profissionais capazes de gerenciar uma empresa como um todo ou cuidar de um departamento específico da organização (como Vendas, Financeiro, Produção, Recursos Humanos, etc.).

O administrador costuma assumir cargos estratégicos dentro das organizações. Quando trabalha em empresas multinacionais, não é raro receber convites para gerenciar equipes em alguma filial fora do País. Por isso, quem se forma nessa área poderá buscar ótimas perspectivas para trabalhar fora do Brasil – especialmente se, em paralelo ao curso de graduação, investir em cursos que permitam a fluência em um outro idioma.

6. Gestão de Recursos Humanos

O gerente de Recursos Humanos é responsável por atrair, reter e treinar os colaboradores de uma empresa, além de fazer com que eles sigam as normas e o perfil exigido pela organização.

É esse profissional que sugere e estabelece políticas de benefícios, ciclos de avaliação de desempenho, planos de sucessão, critérios para a concessão de bônus e muito mais. É muito comum as empresas multinacionais levarem suas equipes de especialistas em Recursos Humanos para implementarem o mesmo padrão em suas filiais fora do País.

Se você investir nessa área e em cursos de especialização, focando em empresas multinacionais ou que podem seguir uma carreira de internacionalização, as suas chances de conseguir trabalhar fora do Brasil podem ser grandes.

7. Jornalismo

Quem se forma na área de Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pode investir em uma oportunidade de trabalhar como correspondente internacional. Nesse caso, o profissional será contratado por uma empresa brasileira e irá morar no exterior para cobrir as notícias e acontecimentos de algum país estrangeiro.

Uma outra forma de morar e trabalhar fora do Brasil é atuar como freelancer, estabelecendo-se em outra nação e escrevendo matérias que são sugeridas por diferentes clientes ou buscando pautas interessantes na região e depois vendendo seu trabalho para jornais, revistas, portais, televisão, etc. Para isso, além de formar-se nessa área, você precisará investir em cursos de idiomas.

De acordo com a Dra. Helena Cavalcanti, se você tem familiaridade com a área da saúde, também pode encontrar oportunidades para trabalhar fora do Brasil. “Médicos, dentistas e  fisioterapeutas são muito valorizados no exterior, desde que estes sejam especialistas em segmentos específicos”, explica.

Nesses casos, assim como no que se refere aos profissionais formados na área de TI – em cursos como Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Ciências da Computação, Engenharia da Computação e Sistemas da Informação –, o que importa é que os profissionais invistam em qualificação constante. Isso está relacionado com cursos de especialização e com o domínio de outros idiomas.

Trabalhar fora do Brasil: onde e como se preparar para esse objetivo

O primeiro passo para se preparar para um futuro no exterior é decidir o curso de graduação que você vai fazer, como comentamos antes. O segundo passo, tão importante quanto o primeiro, será escolher a faculdade que oferecerá para você a qualidade de ensino necessária para que você possa se preparar para esta experiência. Assim, prefira universidades que incentivem as experiências internacionais e que ofereçam oportunidades concretas para que você se prepare para o futuro.

A Estácio compreende a importância de uma carreira internacional. Por isso, a instituição promove, desde 2014, um ambiente de internacionalização dentro e fora da universidade. Alunos, professores e funcionários podem participar de atividades no exterior, de programas de intercâmbio e de cursos de curta duração durante o período acadêmico.

Através da Assessoria de Cooperação Internacional da Estácio, os alunos de todos os cursos e períodos podem participar de cursos complementares e de línguas estrangeiras de curta duração. Além disso, o aluno da Estácio pode passar um ano da faculdade estudando em grandes centros de ensino no exterior.

A Estácio tem parcerias com 15 instituições de ensino nos Estados Unidos, na Europa e na América Latina. Entre outras, estão as referências globais Oxford University, Mercer University of Law, Universidad de la Empresa, Universidade do Porto e Universidade de Coimbra.

Para realmente inspirar o aluno e proporcionar segurança para essa experiência de estudar e trabalhar fora do Brasil, os estudantes da Estácio não embarcam sem orientações. A universidade oferece uma disciplina exclusiva para os alunos inscritos em projetos de intercâmbio.

“Eles aprendem comportamentos e diferenças culturais, regras de etiqueta, abordagem e pontualidade. Acreditamos que é uma oportunidade de novos negócios. As cooperações ajudam no desenvolvimento da ciência e da tecnologia no Brasil. Vivências assim têm sempre uma relação de ganha-ganha”, defendeu Rafael Iorio, vice-reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Universidade Estácio de Sá e diretor de Pesquisa e Extensão do Grupo Estácio, em entrevista ao portal Globo Economia.

Conquistando vagas de trabalho no exterior

Após ter em mãos o diploma de um curso que atenda a alguma das demandas do mercado internacional e de ter adquirido conhecimentos específicos em uma instituição de qualidade, será a hora de você buscar a sua chance de trabalhar fora do Brasil.

Se você não conseguiu uma oportunidade durante a faculdade, você tem dois caminhos, essencialmente, para buscar isso depois de formado. Primeiro, você pode ir para o país que você deseja e então buscar um trabalho. Todavia, os caminhos mais seguros são entrar em uma empresa multinacional no Brasil e ser transferido para outro país ou se candidatar em programas de emprego oferecidos a estrangeiros por alguns países.

Vale destacar que cada país tem uma legislação específica para a imigração de trabalhadores. O portal Guia do Estudante destaca que algumas nações limitam a evolução na carreira ou aceitam apenas algumas profissões em determinado período. Quase todos exigem a revalidação do diploma obtido no país de origem, de forma a controlar a qualidade do trabalho e a adequação à realidade de seu país.

Diversos fatores podem contar para que você consiga trabalhar fora do Brasil com um pouco mais de facilidade. Oportunidades que você possa encontrar na sua trajetória profissional, qualificações que você desenvolveu em áreas específicas e de alto interesse no mercado internacional, cursos de pós-graduação e o domínio de outra língua são tão importantes quanto a superação de eventuais preconceitos que um estrangeiro possa receber.

É importante que você esteja preparado para isso e para outros “desafios” de morar e trabalhar fora do Brasil. Saiba, por exemplo, que não é raro que os habitantes nativos de outro país, muitas vezes, se sintam “invadidos”, como se alguém de fora viesse “roubar” suas oportunidades de emprego e o acesso à saúde e/ou educação. Por isso, para entender as políticas de aceitação de trabalhadores provenientes do exterior em cada país, é importante pesquisar em sites de embaixadas.

Alguns países oferecem programas específicos para migração permanente qualificada. Geralmente, quando o país tem essa estratégia de atração de talentos, ele divulga uma lista com profissões que estão em falta.

Segundo o portal Globo Economia, apesar da abertura dessas vagas por alguns países, a seleção não é tão simples assim. Cada país tem os seus programas, processos e áreas que precisam de profissionais, além de um custo estabelecido para cada processo de seleção. Acontece que os requisitos costumam ser altos. Em geral, exige-se proficiência comprovada do idioma, assim como experiências profissionais, trajetória acadêmica qualificada e certidão negativa de crimes. A idade também conta.